“Páre, escute e olhe” ganha melhor longa-metragem no doclisboa 09

de Jorge Pelicano

a entrevista

“Dezembro de 1991: uma decisão política encerra metade da linha ferroviária do Tua, entre Bragança e Mirandela. Quinze anos depois, essa sentença amputou o rumo do desenvolvimento, acentuou as assimetrias entre o litoral e o interior de Portugal. Agora, o comboio é ameaçado por uma barragem. Páre, Escute, Olhe é uma viagem através de um Portugal esquecido, vítima de promessas políticas oportunistas”.