mistérios da vida e da morte

mogli e família

Mogli (esquerda), Malhadinho (direita)

Pergunta Tolstoi através de Ivan Ilitch: onde é que eu estarei, quando cá já não estiver?

Passada uma semana da tua morte, hoje faleceu o Malhadinho. Mistérios e imposições da vida que o princípio da realidade impõe, independentemente da idade que se tem. As tuas pequeninas amigas, que me entregaram o Mogli, choram. A sua família tal como a minha sente a perda de um dos seus, como uma das pequeninas prontamente disse à mãe: “ele era dum de nós”. Nas minhas incertezas filosóficas tento consolar-me pensando que talvez tenhas agora um companheiro para essa outra viagem, que uns dizem existir e, outros não acreditam que exista.

Acontece com a partida dos que amo, o questionamento constante do local onde se encontram, da viagem que irão fazer, do sentido do rito que é a vida e do qual a morte é a outra face complementar. Talvez os mortos continuem a ser, existindo no tempo e fora dele…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s